Comissão da Câmara aprova convocação de Marcos Valério para explicar ligação do PT com PCC

Comissão da Câmara aprova convocação de Marcos Valério para explicar ligação do PT com PCC
Empresário Marcos Valério acusou o Partido dos Trabalhadores de ter ligação com o PCC

Ex-operador do Partido dos Trabalhadores afirmou em delação que a sigla tinha administrava um fundo secreto com R$ 100 milhões e que mantinha relação com o crime organizado

  • Por Jovem Pan
  • 05/07/2022 18h48 - Atualizado em 05/07/2022 19h10

A Comissão de Segurança Pública da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira, 5, um requerimento apresentado pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) que convoca o empresário e ex-operador do Partido dos Trabalhadores (PT) a prestar esclarecimentos na Casa Legislativa. Ainda não há data para que a audiência seja realizada. Em sua justificativa, Eduardo afirma que a “repercussão e relevância” das informações divulgadas por Valério em sua delação premiada à Polícia Federal – em que o publicitário acusa o PT de operar um fundo clandestino de R$ 100 milhões e de ter uma suposta ligação com o grupo criminoso Primeiro Comando da Capital (PCC) – torna necessária a convocação do ex-petista para que explicações sejam dadas aos parlamentares. O requerente lamentou que a Câmara tenha o poder de convidar, e não de convocar Valério para prestar esclarecimentos, e ressaltou que parte da Casa já trabalha para coletar assinaturas para a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigue o caso. “As ligações do PT com o crime organizado não são de hoje. O PT vem tanto batalhar por transparência, então vamos esclarecer isso”, disse.

Entenda o caso

No trecho da delação vazada, Valério acusa a sigla de esquerda de expulsar membros do partido com suposto envolvimento com o crime organizado após Celso Daniel, ex-prefeito de Santo André assassinado em 2002, preparar um dossiê com informações detalhadas do envolvimento de políticos petistas com o PT. Segundo o depoente, após a morte de Daniel, os documentos sumiram. “Ninguém achou esse dossiê mais. A posteriori, o PT fez uma limpa, tirando um monte de gente, vereador, que era ligado ao crime organizado. Vocês podem olhar direitinho que o PT fez uma limpa, expulsando do partido essas pessoas”, acusou.